PASTORAL DA AIDS LANÇA NOVA CAMPANHA

O objetivo principal é incentivar a adesão ao tratamento para pessoas vivendo com HIV/Aids.

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE PREVENÇÃO

Agentes da coordenação da Pastoral da Aids Regional Norte 2 participam do XIV Seminário Nacional de Prevenção ao HIV.

PASTORAL DA AIDS REALIZA ASSEMBLEIA NO NORTE 2

Com o tema “Uma Pastoral em saída... Para que vida prevaleça” @s participantes oriundos das dioceses, entre os diversos assuntos abordados, refletiram sobre a conjuntura da aids, as perspectivas pastorais e avaliaram a caminhada no regional.

PROJETO PREVENIR E TRATAR

Pastoral da Aids executa ações de incentivo ao diagnóstico precoce e tratamento para alcançar a meta 90-90-90.

PROJETO APOIADO PELO FNS: ÁGUA DOCE VHIVA

"Pastoral da Aids N2 discute ações de prevenção integral e conversão ecológica.

VIII SEMINÁRIO DE INCIDÊNCIA POLÍTICA

Foi realizado em Porto Alegre-RS, nos dias 03, 04 e 05 de agosto, o VIII Seminário Nacional de Incidência Política. A Casa de Oração São João da Cruz, dos Frades Carmelitas, sediou o encontro que teve por tema o questionamento: “Que País é esse?”.

O principal objetivo do seminário foi a qualificação de lideranças que participam nas instâncias de controle social, em especial, os membros que integram os Conselhos de Saúde ou coordenam ações pastorais nas Dioceses do país. Esse é o oitavo ano consecutivo que a Casa Fonte Colombo promove, em parceria com a Pastoral da Aids o Seminário.
O evento contou com a assessoria de palestrantes renomados, como Cesar Goes, sociólogo e professor na Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc); Marcelo Kunrath Silva, sociólogo, pós-doutor pela Brown University (EUA) e professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Doutor Ivo Brito, colaborador da Área de Ações Estratégicas do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções, do HIV/Aids e das Hepatites.

Regional Norte 2 – A Pastoral da Aids se fez presente no Seminário com lideranças da Arquidiocese de Belém e das Dioceses de Abaetetuba, Marabá e Santarém. Também a coordenadora regional, Adalgisa Saraiva, participou do encontro.
Carta – Segue abaixo a carta lançada no Seminário, contando um pouco a experiência vivida e os compromissos assumidos nos dias de encontro.

CARTA DE PORTO ALEGRE 2018

Nós, agentes da Pastoral da Aids, vindos de 20 estados do Brasil, participantes do VIII Seminário Nacional de Incidência Política, realizado de 03 a 05 de agosto de 2018, em Porto Alegre/RS, preocupados com os rumos que está tomando nosso país, debruçamo-nos, com ajuda de pesquisadores, intelectuais e militantes, sobre o atual momento pelo qual passa nossa sociedade e queremos compartilhar com nossos irmãos e irmãs de fé, com os membros de outras comunidades religiosas, com os participantes dos movimentos sociais e com todos os que defendem uma sociedade justa, igualitária e inclusiva, nossas preocupações e compromissos, conscientes de que o tempo presente é tempo de resistência.
Em nossos debates, percebemos que o capitalismo passa por um processo de reestruturação mundial, cujas características são a concentração da riqueza, precarização das relações de trabalho e
redução do Estado, que aprofundam a desigualdade social e política e ampliam a exclusão de grande parte da população do acesso aos direitos e às condições mínimas para uma vida digna. Na mesma lógica, no Brasil, as elites econômicas com seus aliados políticos, reorganizam a economia e o Estado para garantir seus privilégios e reproduzir o capital de forma concentrada, destruindo estratégias que apontavam para garantia de renda mínima e alguma perspectiva de diminuição das desigualdades. Conquistas históricas que beneficiam as populações secularmente excluídas estão em franco retrocesso.
Diante deste quadro, nos comprometemos a:
– continuar aprofundando nossa participação nos espaços de controle social das políticas públicas,
buscando ampliar o conhecimento e as parcerias para a manutenção das conquistas e impedir o retrocesso;
– participar do processo de construção da XVI Conferência Nacional de Saúde de 2019, em âmbito
municipal, estadual e federal, defendendo o SUS com todos os seus princípios e componentes, impedindo
que os interesses econômicos se sobreponham ao direito humano à saúde e evitando o desmonte do SUS;
– participar ativamente das eleições 2018, evitando abstenção ou voto em branco ou nulo, fazendo bom uso
deste instrumento democrático que é a eleição; debater e conhecer as propostas dos partidos e dos
candidatos, votando e apoiando aqueles que se comprometem com a defesa da justiça social e divulgando
meios que possam ajudar na seleção de partidos e candidatos (ex.: www.politicos.org.br);
– reforçar a participação em espaços eclesiais, em comunhão com nossos pastores e com outras pastorais,
efetivando uma igreja em saída, como propõe o Papa Francisco, colaborando na efetivação da VI Semana
Social, no Grito dos Excluídos e na Campanha da Fraternidade que, em 2019, debaterá o tema
“Fraternidade e Políticas Públicas”, aproveitando a experiência acumulada nestes anos de caminhada da
Pastoral da Aids.
Queremos também nos dirigir ao Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, do Ministério da Saúde, responsável pelo enfrentamento da epidemia em nosso país, reassumindo nosso trabalho em parceria e colaboração e insistindo que:
– é necessário o engajamento do Departamento para garantir as conquistas e evitar retrocessos;
– é importante o protagonismo das pessoas que vivem e convivem com HIV/Aids na implementação das
estratégias de prevenção;
– as determinantes sociais em saúde devem ser consideradas como elementos indispensáveis na elaboração
das políticas de enfrentamento da aids;
– a resposta ao HIV deve também considerar as demais IST por sua relevância epidemiológica;
– cabe ao Departamento vigiar para que os elementos indispensáveis para a prevenção e tratamento
(insumos, medicamentos, exames, profissionais) sejam acessíveis a todos que deles necessitam;
– sejam retomadas campanhas amplas de prevenção que englobem a importância do cuidado, da superação do estigma e a defesa dos direitos humanos como elementos constitutivos do enfrentamento da aids em nosso país.
Por fim, como pessoas de fé, queremos expressar nossa confiança de que “haveremos de ver qualquer dia chegando a vitória, o povo na rua fazendo a história, crianças sorrindo em cada nação” (Zé
Vicente). Com este verso do poeta, manifestamos nosso compromisso em manter acesa a chama e espalhar essa esperança para todos aqueles e aquelas que desejam uma sociedade justa e democrática.

Porto Alegre, 05 de agosto de 2018.

VIGÍLIA PELOS MORTOS DE AIDS 2018: LUZES PELA VIDA


Animados pelo exemplo de Jesus Cristo e pelo anuncio do Reino de Deus, cujo desejo é que “todos tenham vida e vida em abundância (Jo 10, 10b)”, a Pastoral da Aids – CNBB Regional Norte 2, realizou do último dia 20, terceiro domingo do mês de maio, a “Vigília pelos Mortos de Aids” que reafirma: “tantas vidas não podem se perder”. Esta atividade é celebrada internacionalmente por meio de várias celebrações litúrgicas e demais atos públicos. Trata-se de um momento histórico para lembrar os amigos e familiares que perdemos e aumentar a conscientização sobre o HIV, transformando a saudade em atitudes de solidariedade e cuidado à vida, "Refletindo sobre nosso passado, cuidando do nosso futuro!". 



O Bispo Acompanhante da Pastoral Regional, Dom Irineu Roman, dedicou um texto de animação fraterna aos agentes e parceiros envolvidos nesta atividade. Com isso, a equipe de agentes da Pastoral da Arquidiocese de Belém participou de uma entrevista no programa televiso “Notícias Pastorais” da TV Nazaré exibido dias 19 e 20/05, realizou palestra no dia 18/05 com os estudantes do curso de medicina da Universidade Federal do Pará (UFPA), IFMSA Brazil (Federação Internacional das Associações dos Estudantes de Medicina do Brasil) e celebrou a vigília no dia 20/05 na Praça Batista Campos e Igreja Nossa Senhora Rainha da Paz (Bairro Benguí – Pároco: Pe. Padre Wanderson Jorge da Costa Barata). 

Na praça, a atividade foi realizada com vários fieis e contou com a presença de Cledson Sampaio (Referência Técnica de HIV no município de Belém) e assessoria da Profª Drª Aline Macedo de Queiroz (Enfermeira da UFPA) a qual articulou a memória pelos mortos de aids à resistência negra com a oficina da boneca Abayomi. Na missa das 18h30, na Igreja Rainha da paz, os agentes envolveram os fieis com uma breve apresentação da Vigília e os símbolos da luta contra aids (Colcha de retalhos, laço vermelho) e a luz de velas rezaram a Oração pela Vida.  

As Dioceses de Castanhal, Abaetetuba, Bragança, Marabá, Santarém e Prelazias do Xingú e Itaituba também realizaram diversas ações em memória solidária pelas vítimas da Aids, que até o ano de 2017 já ceifou mais de 35 milhões de vidas. Dentre estes, várias personalidades nacionais e internacionais foram homenageados: Magic Johnson, Michel Foucault, Renato Russo, Caio Fernando Abreu, Cazuza, Henfil, Freddie Mercury, Betinho, Sandra Bréa, Tom Waddell. Robert Boyle "Bobbi" Campbell Júnior e Sallie Perryman.





Na Diocese de Marabá, município de Parauapebas, a equipe de agentes realizou panfletagem e anúncios em carro-som, entoou cantos de esperança, anúncio e denúncia, e acendeu luzes pela vida após a celebração eucarística da Paróquia São Francisco de Assis.




A Diocese de Santarém também realizou uma bela celebração de Pentecostes e com as luzes do Espírito Santo elevaram as orações pelos mortos de aids.
Em todo o regional norte 2 da CNBB (Pará e Amapá) a Vigília pelos Mortos de Aids envolveu mais 3.000 pessoas entre fieis e parceiros na luta contra aids, como a Conferência da Família Franciscana do Brasil e Fórum Paraense de ONG's AIDS.





REFLETINDO SOBRE O NOSSO PASSADO, CUIDADO DO NOSSO FUTURO!


       Convidamos todas as pessoas de boa vontade para o dia 20 de maio de 2018 (Terceiro domingo do mês de maio) para estarem conosco na Praça da Batista Campos - Belém/Pa, a partir das 16h, a participarem do 35º Memorial Internacional de Luzes de Velas da AIDS
        No Brasil, este evento é também organizado pela Pastoral da Aids – CNBB denominado “Vigília pelos Mortos de Aids” que reafirma neste ano “tantas vidas não podem se perder” em várias celebrações litúrgicas e demais atos públicos espalhados pelas federações. Trata-se de em momento histórico para lembrar os amigos e familiares que perdemos e aumentar a conscientização sobre o HIV, transformando a saudade em atitudes de solidariedade e cuidado à vida, "Refletindo sobre nosso passado, cuidando do nosso futuro!".


            Quando o Memorial da Luz de Velas contra a AIDS foi realizado pela primeira vez no ano 1983, ninguém poderia ter previsto a escala e o impacto da epidemia global de HIV que agora está em sua terceira década. Com milhões de vidas perdidas e cerca de 37 milhões de pessoas atualmente vivendo com o HIV e nos permanecemos profundamente desafiados por essa epidemia. Para alguns, o HIV tornou-se uma doença crônica manejável, mas para muitos o HIV é luta de vida diária que reivindica por tratamento e cuidados, alimentação adequada, moradia e renda, muitas vezes em face do estigma generalizado relacionado ao HIV, discriminação e discriminação.
            É postura dos cristãos defender a vida, principalmente onde ela é mais ameaçada. E por isso, não podemos aceitar que tantas vidas se percam para a Pandemia da Aids. Com isso, seguindo os ensinamentos de Cristo, queremos fazer memória em busca da atualização do mistério salvífico, anunciar o Reino e denunciar os sinais de morte presentes em nossas diversas realidades sociais. E como sal da terra e luz do mundo, testemunhar “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação da vista aos cegos, para libertar os oprimidos” (Lc 4,18) e “curar os doentes” (Mc 6,13).
            Por ocasião do dia mundial de luta contra aids de 2016, o Papa Francisco fez um apelo:  “Milhões de pessoas convivem com esta doença e somente metade delas tem acesso a terapias. Convido a rezar por elas e por seus caros e a promover a solidariedade para que também os mais pobres possam beneficiar de diagnósticos e tratamentos adequados. Por fim, faço um apelo para todos adotem comportamentos responsáveis para prevenir ainda mais a difusão desta doença”.
            A epidemia do HIV continua a revelar diversas formas de violência, como a injustiça e a exclusão em nossas sociedades. Mas há esperança enquanto abrirmos espaços para a solidariedade e resistência contínuas de todas as comunidades que carregam o peso dessa epidemia, incluindo homens gays, transgêneros, profissionais do sexo, pessoas que usam drogas, mulheres e meninas, jovens, adolescentes e crianças.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que desde o início da epidemia, em 1981, até os dias atuais, cerca de 35 milhões de pessoas morreram de aids. E segundo o Boletim Epidemiológico (BRASIL, 2017). Desde o início da epidemia de aids (1980) até 31 de dezembro de 2016, foram notificados no Brasil 316.088 óbitos tendo a HIV/aids como causa básica (CID10: B20 a B24). A maior proporção destes óbitos ocorreu na região Sudeste (59,6%), seguida das regiões Sul (17,6%), Nordeste (13,0%), Centro-Oeste (5,1%) e Norte (4,7%). Em 2016, a distribuição proporcional dos 12.366 óbitos foi: 42,4% no Sudeste, 21,3% no Nordeste, 19,6% no Sul, 10,2% no Norte e 6,5% no Centro-Oeste.
            O Memorial internacional à luz de velas da aids nos lembra do tremendo impacto que o HIV e o movimento da aids tiveram em nossas vidas. O Memorial enfatiza a necessidade das pessoas que convivem, vivem e são afetadas pelas realidades do HIV unirem as mãos e refletirem sobre o passado e as vidas preciosas que foram perdidas. O Memorial também nos convoca a compartilhar nossas histórias de desafio, perseverança e triunfo para educar as gerações atuais e futuras sobre o que o movimento da aids alcançou nas últimas três décadas.       
       Finalmente, o Memorial pede para trabalharmos juntos, agora mais do que nunca, para sustentar, fortalecer e revitalizar nossa resposta mundial ao HIV, olhando para frente e preparando nosso futuro livre do estigma e discriminação relacionados ao HIV e com acesso universal a toda a gama de direitos humanos, incluindo serviços de prevenção, tratamento e cuidados de qualidade para todos. E para que todos “tenham vida e vida em abundância” (Jo 10,10b).

Texto adaptado e organizado por: Prof. Francisco José Corrêa de Araújo, OFS


FONTES:

ACIDIGITAL. Papa pede pra rezar pelos enfermos de aids. DISPONÍVEL EM: . Acesso: 09 de maio de 2018.

ATIVO SAÚDE. HIV e Aids no mundo. DISPONÍVEL EM: . Acesso: 09 de maio de 2018.

BÍBLIA SAGRADA. 40a Edição. São Paulo: Ave Maria, 1982.

BRASIL, Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. 2017. DISPONÍVEL EM: < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/boletim-epidemiologico-hivaids-2017>. Acesso: 09 de maio de 2018.


CANDLE LIGTH MEMORIAL 2018. DISPONÍVEL EM: . Acesso: 09 de maio de 2018.

PASTORAL DA AIDS REALIZA FORMAÇÃO CONTINUADA NO PARÁ

A Pastoral da Aids, serviço de ação social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, na resposta católica a epidemia da aids, realizou no período de 29 de abril a 01 de maio de 2018 o Encontro de Formação com o tema “Quem é meu próximo?”- Inspirada na Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,25-37). O evento ocorreu na Casa Santa Clara, sede da Fraternidade São Francisco de Assis – Ordem Franciscana Secular, Cidade de Belém/Pará.


            Após o credenciamento dos 18 participantes, iniciamos um momento de espiritualidade refletindo sobre a Parábola do Bom Samaritano. Em seguida, houve a apresentação dos agentes da Pastoral oriundos de várias dioceses da CNBB Norte 2: Arquidiocese de Belém, Dioceses de Abaetetuba, Marabá, Castanhal, Bragança, Cametá, Santarém e Prelazias do Xingú e Itaituba. Continuamos as atividades deste dia com a análise do Relatório da Pastoral da Aids - Regional Norte 2 – Ano base 2017.

            No dia seguinte, após a mística da manhã, avaliamos as atividades previstas para o ano de 2018 e estudamos o texto da edição “Cadernos Aberto 05” com o tema: Qual a motivação dos Agentes da Pastoral?. Os participantes expuseram suas contribuições e dialogaram ainda sobre o texto "Quem é meu próximo?” (Frei Carlos Mesters, Carmelita). Os textos animaram os presentes e fundamentaram sobre a espiritualidade que move os mais de 54 agentes no Estado do Pará que trabalham diariamente na luta contra aids. Para encerrar o dia, a equipe realizou uma Celebração da Vida com acendimento de velas em memória pelos mortos de aids.
            No ultimo dia de Capacitação, os agentes multiplicadores estudaram sobre os desafios da Incidência Política. Neste dia, o Deputado Estadual do Pará, Dirceu Ten Caten e seus assessores contribuíram na atividade com o tema: Frente Parlamentar, uma necessidade na luta contra aids.
            Ao final, a Coordenadora Regional da Pastoral da Aids, Adalgisa Maria Cardoso Saraiva, agradeceu a todos os presentes, parceiros, assessores e de modo especial ao financiador do Projeto Doce Água Vhiva – Fundo Nacional de Solidariedade/ CNBB. Eventos como este fortalecem a caminhada de base dos agentes multiplicadores que animados pela alegria do evangelho seguiram para suas dioceses exultantes na “Laudato Si” e firmes na promoção da vida.






ENCONTRO DE FORMAÇÃO INTERDIOCESANA- ITAITUBA

Dias 10 e 11 de março de 2018, na cidade de Itaituba/PA – Centro de Pastoral Prelatício se reuniram 20 agentes da Pastoral da Aids oriundos da Diocese de Santarém e Prelazia de Itaituba para Formação Interdiocesana financiada pelo Projeto Água Doce Vhiva ( Fundo Nacional de Solidariedade). 



No sábado, dia 10, Dom Wilmar Santin participou da abertura do evento animando a equipe para este serviço de caridade, justiça e paz. A Coordenadora da capacitação, Lucimere Feitosa, relata que atividades como está são imprescindíveis na caminhada de voluntariado da pastoral. Neste dia o assessor, Francisco José Corrêa de Araújo – Coordenação Regional da CNBB N2, tratou do histórico, mística e espiritualidade, identidade e organização da Pastoral da Aids. Durante a apresentação dos temas, Norma Lindoso Viana interviu com várias contribuições técnicas e pastorais presentes no Guia do Agente de Pastoral.

No dia 11, domingo, a equipe participou da Celebração Eucarística na Catedral Sant'Ana e depois seguiu para a continuação da formação estudando temas da atualidade como Laudato Si e Documento 105 da CNBB. A Capacitação contou com o apoio dos Frades Menores  (Fr. Manoel Lima da Silva, Fr. Alife e Fr. Pedro Fernandes), Frade Carmelita - Frei Romualdo Borges e CEPA -Centro Educacional Pan-Americano.  A Capacitação encerrou com almoço e envio dos novos agentes.